Skip to main content
LEWIS

Por

LEWIS

Publicado em

May 8, 2020

Tags

influenciadores, Marketing de influência

Nos últimos dez anos temos assistido ao crescimento acelerado da relevância das redes sociais. Inevitavelmente, e como consequência da recorrente utilização diária, os utilizadores dessas plataformas acabam por admirar e valorizar a opinião de alguns dos criadores de conteúdos que seguem nas suas redes – e assim nascem os influenciadores.


O que é um influenciador digital?

Um influenciador digital é um indivíduo com um impacto acima da média nas redes sociais entre um determinado segmento de público, cuja dimensão pode variar. Este impacto reflete-se, geralmente, através de um interesse elevado nas suas publicações, na partilha alargada dos seus pontos de vista ou opiniões, em mudanças de comportamento (p.ex. adoção de estilo de vida mais saudável porque determinado influenciador o faz) ou na decisão de compra de um determinado produto ou marca, entre outras possibilidades.

Hoje em dia, existem diversas classificações normalmente atribuídas aos influenciadores digitais, que se baseiam acima de tudo na sua quantidade de seguidores.

Estes vão desde os “mega-influenciadores” – com números superiores a um milhão de seguidores, geralmente celebridades (sejam atores, desportistas ou mesmo nativos do digital, como YouTubers) – aos “micro” ou “nano-influenciadores” – geralmente com entre 10 mil e 100 mil seguidores e que podem ser especialistas numa indústria ou área específica, influenciando nichos de pessoas pertencentes ou interessados na mesma.

influenciadora digital

Dito isto, pode parecer estranho que, por exemplo, um utilizador com 12 mil seguidores seja considerado “influenciador”, quando também o é um utilizador com 700 mil seguidores.

Na verdade, a explicação é bastante simples: nos últimos anos, milhares de marcas têm vindo a recorrer ao marketing de influência para tentar atingir mais – ou diferentes – segmentos de público, o que levou ao crescimento explosivo do número de seguidores de alguns destes utilizadores.

Ora, muitas vezes esse aumento ficou também associado a um certo “desgaste” da sua imagem, pois publicitavam muitos produtos ou serviços em simultâneo, o que começou a ter um impacto mais negativo do que positivo.

Outro fator foi a evolução dos algoritmos das próprias redes sociais (sobretudo o do Instagram, a terceira rede social mais ativa do momento), que fez com que um maior número de seguidores não significasse obrigatoriamente um melhor engagement.  Por sua vez, essa mudança levou as marcas a começar a apostar nos perfis de “micro” e “nano” influenciadores – quem normalmente consegue exercer maior poder sobre quem os segue.

Por outro lado, independentemente do formato – foto, vídeo, blogpost ou stories no Instagram –,hoje em dia o valor de um conteúdo depende em grande parte da autenticidade do seu criador e da perceção do seguidor.

O poder de influenciar

O público virtual é inteligente, sempre atento e rápido a criticar. Cada vez mais os influenciadores devem promover unicamente marcas, produtos ou serviços com os quais se identifiquem na realidade, sob pena de perderem credibilidade, e consequentemente danificarem a sua reputação (e a da marca que representam).

Podemos concluir que o “poder de influenciar” existe enquanto a relação entre o criador de conteúdo e o seguidor for mantida, pelo que esta deve ser constantemente fortalecida. Assim, e após termos compreendido a definição de influenciador digital, torna-se mais fácil entender também o benefício mútuo de uma parceria entre marcas e influenciadores.

Pela parte da marca, é uma forma de promover produtos ou serviços a um vasto grupo de pessoas, ou a um nicho específico, recorrendo a alguém cujas opiniões e recomendações são fortemente valorizadas.

Pela parte do influenciador, a parceria representa um ganho, não apenas monetário, mas também de reputação e reconhecimento.

Trabalhar com um influenciador poderá representar uma boa “plataforma de lançamento” para marcas que procuram gerar awareness e, consequentemente, estabelecer uma relação de qualidade e confiança com o seu público-alvo. Mas as vantagens não acabam por aqui.

Por que fazer uma parceria com influenciadores digitais?

Tal como temos vindo a referir, os influenciadores não são apenas mais uma simples ferramenta de marketing: é crucial escolher as pessoas certas para promover os produtos certos, num bom timing e de forma autêntica e não demasiado comercial.

Se todas estas condições forem cumpridas, os influenciadores podem tornar-se num verdadeiro trunfo de relações sociais, servindo como ponto de conexão entre as marcas e públicos-alvo que, de outra forma, seriam muito difíceis de atingir.

Uma boa colaboração poderá, por isso, trazer diversos benefícios para uma marca:

Aumento de vendas

As gerações Millennials e Z são compostas, tendencialmente, por pessoas bastante suscetíveis a serem influenciadas pela via digital.

Assim, a partir do momento em que um influenciador partilha um produto/serviço nas suas redes, a procura por ele tende a aumentar e, em consequência, também as suas vendas.

Dependendo do tipo de produto, dos canais utilizados e da duração das campanhas, as vendas deverão aumentar – seja de forma imediata, em picos, ou ao longo de várias semanas.

Aumento da credibilidade e confiança

Já estabelecemos que os influenciadores com seguidores fiéis são muito mais eficazes a aumentar a notoriedade de uma marca – da mesma forma, eles serão também bem-sucedidos na construção de uma imagem positiva da mesma, pois quem os segue confia nas suas opiniões.

É por este motivo que se torna verdadeiramente importante escolher influenciadores que se identifiquem com os produtos/serviços que promovem: uma partilha feita de forma autêntica permitirá aumentar de forma muito significativa a credibilidade da marca.

Num mundo em que os consumidores são cada vez mais céticos, ganhar a confiança da audiência é cada vez mais essencial.

São especialistas em comunicação

Os influenciadores existem num espaço digital e, dessa forma, desenvolvem naturalmente um dom para a comunicação com os seus públicos.

Vários acabam por atingir o estatuto de “celebridade”, mas muitos ainda são vistos como pessoas “normais” e conseguem, assim, estabelecer conversas mais próximas com os seus seguidores, criando um engagement que se prolonga ao longo do tempo – algo que pode ser muito difícil de conseguir do ponto de vista de uma marca.

São, portanto, veículos excelentes para comunicar a visão de uma marca e a sua mensagem, de maneira a que os seus públicos se conectem e envolvam com elas.

Construção de notoriedade

Os influenciadores são a ligação entre a marca e o público e, consequentemente, terão influência sobre o reconhecimento daquela no mercado.

O tipo de notoriedade que conseguem para as marcas, muitas vezes através da relação de proximidade que mantêm com a sua comunidade, não é alcançável através de nenhuma estratégia tradicional.

Influenciadores com públicos extremamente envolvidos e, possivelmente, já interessados em determinado produto ou serviço, serão altamente eficazes na construção de visibilidade e no aumento do reach.

Criação de conteúdo

Os influenciadores são especialistas na criação de conteúdos pensados para gerar engagement – eles conhecem o seu público e sabem o que lhe agrada, pelo que as suas propostas terão bons resultados.

Isto é uma mais-valia para as marcas, que podem reaproveitar esses materiais para os seus próprios canais (redes sociais, website, publicidade online e offline, merchandising, etc.) e assim diversificar a sua estratégia de conteúdos de forma harmoniosa – e muitas vezes até poupando nos custos de criação de novos conteúdos, através de outros meios.

Atingir a audiência certa

Identificar a audiência certa é crucial para qualquer estratégia de marketing; no entanto, este é um processo demorado, complicado e que requer uma compreensão muito profunda dos potenciais consumidores e do público-alvo a atingir.

Estabelecer uma parceria com um influenciador permite ultrapassar esta dificuldade, pois ele já conhece bem a sua comunidade, sabe o que lhe agrada e como atrair a sua atenção – assim, as marcam podem direcionar a publicidade diretamente para quem lhes interessa e com uma estratégia mais eficaz.

Ótima relação custo/benefício

Colaborar com influenciadores pode resultar em excelentes relações de custo/benefício, sobretudo em comparação com a publicidade tradicional. As marcas devem avaliar os valores pedidos pelos influenciadores e a compensação que podem receber em troca.

Se escolherem, por exemplo, influenciadores de menores dimensões, podem até conseguir parcerias baseadas na oferta de equipamentos em troca de promoção, o que reduzirá ainda mais o investimento-base.

Se o influenciador se interessar verdadeiramente pela campanha, até pode fazer mais do que o que lhe foi pedido! Numa campanha bem estruturada, os benefícios resultantes da parceria rapidamente vão contrabalançar o investimento realizado.

Aumento do número de seguidores nas redes sociais

É crucial que a marca garanta que os influenciadores identificam sempre a página da marca nos posts realizados nas redes sociais – colaborações eficazes trarão um aumento de interações e seguidores, e muitos permanecerão ao longo do tempo.

Tendo em conta todas estas vantagens, estabelecer parcerias com influenciadores digitais parece uma ótima ideia, certo? Vamos descobrir então como pô-las a funcionar!

Como estabelecer uma parceria com influenciadores digitais?

Definir objetivos

Antes de começar qualquer campanha com influenciadores, é necessário parar para pensar: que objetivos queremos atingir através dela? Quais os resultados esperados? Conseguir mais envolvimento? Notoriedade? Aumentar as vendas?

Qualquer que seja o propósito, é necessário defini-lo antecipadamente, pois será a base de planeamento da estratégia a executar. A partir daqui, vai decidir-se o tipo de influenciador com quem colaborar, a mensagem que deve ser transmitida, as plataformas a utilizar, o mood  da campanha e vários outros aspetos importantes.

Encontrar o influenciador certo

Tal como já pudemos referir, a escolha do influenciador com quem realizar a campanha é um momento que vai definir o seu sucesso: ele deve ser relevante tanto para a marca como para o objetivo a atingir, deve ser alguém facilmente associável a ela e, sobretudo, alguém que demonstre verdadeiro interesse e afeição pelos produtos e serviços que está a promover.

É necessário ter, também, em conta a notoriedade e reputação dos influenciadores e o engagement  que conseguem (que é bem mais importante que o número de seguidores). Por outro lado, bastará escolher uma pessoa, ou fará sentido associar várias caras ao mesmo projeto?

Todos os detalhes contam!

Estabelecer uma remuneração justa

Um dos maiores erros que as marcas podem cometer quando definem uma campanha de marketing de influência é subestimar o trabalho que o influenciador vai realizar.

Ele irá utilizar o seu meio de trabalho e, claro, a sua influência – muitas vezes atingidos com enorme esforço – para levar o seu produto/serviço a um público relevante; assim, deve ser justamente compensado.

Em sentido contrário, também não deve concordar com o pagamento de valores exorbitantes a influenciadores de grande peso, a menos que possa realmente garantir o sucesso da campanha. Com boa vontade e profissionalismo de parte a parte, não deverá ser difícil estabelecer um acordo que seja justo e benéfico para todos.

Ultimar a estratégia

Chegou a hora de definir a imagem que queremos passar da sua marca e seus produtos/serviços, e como queremos “enviá-la” para o mundo: através de giveaways, partilha de links ou com conteúdo criativo que se destaque?

O influenciador escolhido pode ajudar nesta fase, com ideias para atingir o máximo de relevância e criatividade possível – as marcas devem ouvir e valorizar as suas visões, pois podem contribuir para uma campanha mais genuína.

No entanto, mesmo seguindo estes passos, existem diversos erros que são muito comuns e que devemos tentar evitar…

Erros a não cometer!

Tomar decisões menos boas numa campanha de marketing de influência é muito natural, sobretudo nas primeiras vezes – mas quanto maior for a sua preparação, menos propensão terá para os cometer, sobretudo porque muitos são fáceis de evitar!

Deixamos aqui exemplos de falhas que podem parecer óbvias, mas que são muito comuns no que toca a parcerias com influenciadores digitais:

Não ter um plano

Por vezes a importância das campanhas com influenciadores é, de alguma forma, minimizada; na verdade, é crucial olhar para elas como qualquer outra campanha na qual as empresas investem!

Assim, é mesmo obrigatório colocar questões como “Por que quero fazer uma parceria com um influenciador?”, “Quais são os objetivos que quero atingir?”, “Quanto posso investir?” e “Que mensagem e imagem quero passar?”.

É necessário definir um bom plano, que aborde com detalhe todos os passos a tomar neste investimento.

Escolher os influenciadores errados

Um dos erros mais fáceis de cometer, especialmente se os objetivos da campanha não tiverem sido bem definidos, é escolher os influenciadores errados para a representar. Uma falha desta monta, e tão no início do processo, ditará a falta de sucesso da campanha, que afinal não atingirá a audiência pretendida, ou transmitirá a mensagem de forma pouco eficaz.

Uma análise eficaz aos influenciadores é, por isso, fundamental.

Pedir favores em vez de oferecer oportunidades

É necessário ser cuidadoso na abordagem aos influenciadores selecionados: devem utilizar-se palavras que induzam uma colaboração e não um pedido de um favor.

É importante colocar o foco no quanto ambas as partes se poderiam complementar e, por outro lado, explicar desde logo, e de forma clara, os objetivos, necessidades, contrapartidas e benefícios que adviriam.

Um primeiro contacto positivo poderá ser a chave para uma parceria com maior proximidade e proximidade entre ambos e, portanto, mais hipóteses de sucesso.

Basear as decisões em opiniões unilaterais

Numa parceria com influenciadores, é importante que ambas as partes sejam ouvidas: por um lado, ninguém saberá melhor do que a marca as necessidades e objetivos a atingir; por outro,  ninguém conhece a audiência do influenciador melhor do que ele.

Ambos os lados aportam visões das quais o outro poderá não ter noção; assim, a estratégia perfeita exige uma troca de ideias para chegar a um consenso comum, que acabará por servir melhor todos.

Esperar resultados instantâneos

Pode acontecer que uma campanha se torne viral de imediato; no entanto, a grande maioria das colaborações com influenciadores traz resultados durante o seu decorrer, e não no momento em que começa.

Assim sendo, é importante ser paciente, não elevar as expectativas quanto à rapidez de resultados e ir monitorizando a evolução da campanha – esta é, de resto, uma boa ideia para conseguir controlar se a estratégia escolhida está a resultar ou se ainda é possível alterar algo.

Já sabe o que é um influenciador digital, bem como o que deve ou não fazer para conseguir uma parceria de sucesso: agora só resta mesmo começar a planear a próxima campanha!


Pretende estabelecer a parceria com um influenciador? Fale com a LEWIS para saber mais.

Contacte-nos