Skip to main content
LEWIS

Por

LEWIS

Publicado em

October 15, 2018

Tags

Transformação Digital

São passadas inúmeras horas no planeamento da transformação digital, ainda assim, as organizações globais continuam a tropeçar quando é necessário avançar para a implementação. E o bloqueio não está na tecnologia mais rápida, flexível e sofisticada. Mas antes, no modo como as organizações abordam a transformação digital junto dos seus colaboradores. Uma transformação digital bem-sucedida, por mais irónico que seja, é menos sobre a tecnologia e mais sobre as pessoas.

Team work

Conseguir que os colaboradores do topo para a base adotem a transformação digital é essencial para o sucesso de qualquer plano, e provavelmente a parte mais difícil. Envolve toda a organização. Toca o núcleo da cultura de uma empresa. Exige que várias pessoas alterem as suas relações com a tecnologia. Conseguir que os colaboradores se adaptem a estas alterações – como qualquer líder de negócio sabe – é muito difícil de conseguir.

Como impulsiona a mudança e une os colaboradores com diferentes experiências? Como é que cria uma cultura que agilize a adoção da mudança e incentive a inovação, tudo isto enquanto tenta assegurar uma experiência positiva para o colaborador?

A solução está no envolvimento dos colaboradores.

A transformação digital já está centrada na experiência do cliente, mas a prioridade deve ser a experiência do colaborador. Os colaboradores querem aprender e trabalhar numa cultura flexível onde as ideias de novas tecnologias podem ser incentivadas e integradas.

Partilhamos as quatro formas de influenciar a transformação digital na empresa, começando com os recursos empresariais mais valiosos: os colaboradores.

 

1. Procure conciliar os valores de forma transversal à empresa

Saiba como falar através dos valores da sua empresa e como a transformação digital se concilia com eles. Quando se tem uma visão clara da empresa articulada com a perceção que os colaboradores têm dos valores corporativos,  possível criar um ambiente facilitador da transformação. Esta forma de alinhamento ideal dos valores pode não só aumentar a produtividade, mas também desencadear a inovação. A transformação digital precisa de ambos, especialmente quando uma alteração organizacional está envolvida.

Quando os colaboradores sentem que estão suportados pela missão da empresa, tornam-se empenhados no trabalho e querem fazer mais. Normalmente, quanto mais envolvido nas suas tarefas e no próprio local de trabalho, maior disposição existe para que os colaboradores atravessem as barreiras individuais e consigam mudar.

Por exemplo, os algumas pessoas podem considerar trabalhar para uma empresa para terem almoços gratuitos, bolsas anuais ou ações generosas (ou todos os referidos acima), mas o que os mantem numa empresa são os valores que têm em comum com a entidade patronal. Tal como os clientes preferem realizar negócios com empresas que defendam as causas com que se preocupam, os colaboradores procuram por valores comuns. O respeito por estes princípios mútuos pode incentivar os colaboradores a sentirem-se mais dispostos a comprometerem-se com as decisões de transformação digital da empresa.

 

2. Crie uma história para a transformação digital

Os agentes de Hollywood que procuram novas ideias para filmes, têm sempre um pitch impactante no pensamento. O conceito é simples: uma única frase que descreva o filme todo. É claro e conciso. A transformação digital pode aparecer de forma tão rápida como um rumor, percorrendo o seu caminho dentro da organização. Mas, no caso da transformação digital, é essencial que toda a empresa conheça e esteja de acordo com a visão, os objetivos e o plano para essa mudança. O discurso impulsionador tem de ir além de um checkpoint ou de uma conversa de corredor. Ao invés, torna-se a narrativa interna da marca do início ao fim e, com sorte, espalha-se como fogo de boca em boca.

millenials

3. Faça a curva de aprendizagem

O percurso para a transformação digital é complicado. As iniciativas tecnológicas isoladas podem ser cansativas para alguns colaboradores. Junte possíveis desinteresses com planos de marketing internos, programas de envolvimento de colaboradores com outras iniciativas lideradas pela empresa, e pode ter a certeza que muitos colaboradores irão perder interesse antes mesmo de ter começado.

A formação será um fator primordial para garantir entusiasmo e na educar a organização no caminho da transformação digital. Conheça bem os seus colaboradores. Quem são? Que interesses têm? Como preferem aprender? Por exemplo, os millennials estão mais propensos a aprender de forma diferente dos outros colaboradores. A sua vontade de aprender e de crescer profissionalmente é o fator primordial na retenção. Programas de formação e comunicação constante e consistente são necessários para assegurar que todos os colaboradores se sentem desafiados e apoiados.

 

4. Comece devagar, mas termine em grande

A pressão da transformação digital é constante. Expectativas e prazos aumentam rapidamente. É natural querer promover, aperfeiçoar o projeto à medida que se desenvolve, ou economizar. Isto pode causar erros dispendiosos. Considere quão rápido estão as coisas a mudar neste momento, mesmo para os seus colaboradores. Será que é recomendável ter a sua equipa com excesso de trabalho para completar um prazo revisto, apenas para descobrir que o objetivo final ficou desatualizado?

Desafie-se enquanto líder. Apresente um plano que integre objetivos mensuráveis e mantenha-se responsável. Efetue alterações e reveja com sentido crítico. Evite conversas ou projetos desnecessários sobre níveis de experiência, funções de trabalho e unidades de negócio. Inspire e dê as boas vindas ao feedback geral. Não se surpreenda se outros departamentos levem em conta ideias novas e coerentes, colaboração, eficiência e progresso da sua equipa e comecem a replicá-lo.

 

Conclusão? Olhar para o futuro

Como referido, as mudanças de fundo dentro da organização colocam todos os líderes empresariais num stress intenso. Reformular o desempenho da empresa através de novas plataformas digitais requer visão, paciência e capacidade técnica, mas o fator mais importante é a aceitação pelos colaboradores.

A transformação digital para a maioria das empresas não é opcional. É uma mudança fundamental que está a tornar o mundo dos negócios mais competitivo, mais ágil e – para aqueles que não investem no seu QI digital – mais vulnerável. Os riscos de lutar contra as mudanças na era digital são demasiado elevados. É a altura ideal para investir numa mudança cultural.


Este artigo foi publicado originalmente na Forbes.

Contacte-nos