Skip to main content
LEWIS

Por

Carolina Davoudian

Publicado em

August 20, 2019

Tags

Comunicação

Hoje em dia, uma fração da população empregada em todo o mundo, tem-se deparado com dificuldades na criação e implementação de um pitch eficaz e proveitoso – e que seja fácil de realizar a qualquer momento. No entanto, este é bastante útil para estudantes, empreendedores e, como não poderia deixar de ser, especialistas em relações públicas. O chamado “discurso de elevador” é a ferramenta fundamental para aqueles que pretendam criar ligações duradouras e estabelecer um leque de conexões profissionais.

Tendo em conta estes fatores, como fazer um pitch perfeito de uma forma sucinta, cativante e bem-sucedida? Preparámos um guião com pequenos truques e dicas, acompanhados de exemplos, que vão também ajudar a combater os nervos em situações deste género, quando a pressão é grande.

É importante tomar nota da seguinte mnemónica (auxiliar de memória):

SALVO: Simplicidade. Atenção. Luta. Verdade. Otimismo.

elevador

Como fazer um Pitch Perfeito em 30 segundos?

  1. Seja Simples. Quem é?

É obrigatório começar com uma pequena apresentação pessoal. Afinal de contas, é assim que principia a maioria das primeiras conversas entre estranhos. Entrar em pormenores desnecessários logo ao início não vai contribuir para a expressão oral – é crucial não esquecer que a duração do pitch tem de cumprir os 30 segundos.

O primeiro passo deverá ser um simples, “Olá, o meu nome é  (nome), prazer em conhecê-lo”. E é mais do que suficiente: breve e perceptível.

 

  1. Seja Atencioso. O que faz?

A abordagem seguinte deve ter como base a etapa profissional do orador – se é estudante, trabalhador ou ambos – de modo a transmitir desde logo uma ideia geral da experiência que ele possui. Neste momento, é importante oferecer algum contexto. Se for estudante, pode falar um pouco sobre onde estuda. Porém, um adulto experiente e já inserido no mercado de trabalho provavelmente não precisa de mencionar os seus estudos – em vez disso, deve explicar resumidamente o que faz e onde trabalha.

  • Estudante: “Licenciei-me na (nome da instituição) em (nome do curso).”
  • Profissional: “Sou (profissão) e trabalho na (empresa).”

Para além disso, convém ter atenção relativamente à informação comunicada, tendo sempre em mente a pessoa que está do outro lado. Às vezes, ser mais explícito é essencial; por exemplo, no caso de uma faculdade ou local de trabalho que possa não ser familiar para o público em geral. Nesta situação, indicar a localização, juntamente com uma breve explicação do trabalho, deixa o ouvinte mais esclarecido.

Exemplo: “Sou profissional de comunicação e trabalho na LEWIS Global Communications, em Lisboa. É LEWIS uma agência de comunicação integrada, conhecida pelo seu trabalho em Relações Públicas, Marketing e Serviços Digitais.”

 

  1. Seja Lutador. Como atrair atenção?

Existe sempre um público-alvo para o nosso pitch. Pode ser um professor, um patrão ou um empresário do Shark Tank a assistir; todos procuram coisas diferentes, mas há algo essencial: o estabelecimento de um fator imediato de conexão. É por isso necessário perceber desde logo como captar a atenção do outro participante e criar uma ligação sólida: uma boa forma de o fazer é utilizar um assunto específico que diga respeito a ambos.

Exemplo: “Já li sobre/assisti a palestras da sua empresa, conheço e admiro o seu trabalho. Eu também trabalho na mesma área.”

 


 

  1. Seja Verdadeiro. O que pretende?

É um facto que ninguém gosta de ser rejeitado – por isso mesmo, pode ser intimidante, e talvez ligeiramente constrangedor, arriscar. Mas agora chegámos à fase da contextualização – aquela que levará à descoberta da possibilidade de concretizar, ou não, o objetivo do orador. Aqui inicia-se uma nova e potencial relação profissional. A partilha de dados pessoais, por si só, é insuficiente, uma vez que o ouvinte precisa de saber exatamente qual o seu papel profissional nesta parceria.

Ponderar acerca da pergunta principal do pitch demonstra diligência/cuidado. Tudo gira à volta do objetivo final: se se pretende uma mentoria, um estágio, um parceria, um investimento… e por aí fora. Se há incerteza quanto ao objetivo concreto – por exemplo, se o orador apenas tiver interesse em adquirir um contacto – resolver essa incerteza deve ser a pergunta principal.

Exemplo: Um jovem empreendedor decide arriscar e testa o “discurso de elevador” com um executivo da sua área de trabalho:

“Seria fantástico se pudesse considerar investir nesta empresa, porque já fomos capazes de ajudar a empresa X, dentro da sua indústria, a obter Y resultados, em Z situações diferentes. Sei que as nossas empresas acabam por partilhar os mesmos objetivos e é por isso que eu queria falar consigo hoje.”

Neste exemplo, a conexão imediata entre o jovem empreendedor e o empresário e potencial investidor tem possibilidades de vir a ser estabelecida, pela forma concreta e realista que o jovem escolheu para abordar o seu interlocutor. A existência de resultados reais, quantificáveis ​​e positivos deve ser enfatizada de forma a transmitir uma imagem credível.

 

  1. Seja Otimista

Acabam-se as perguntas – neste passo chegamos ao final do discurso. É a altura apropriada para se ser o mais agradável, carismático e positivo possível.

Exemplo: “Muito obrigado, ficamos em contacto e vou enviar-lhe um email já em seguida. Foi ótimo conhecê-lo.”

Transmitir humildade e, ao mesmo tempo, segurança são elementos-chave. O equilíbrio entre ambas as caraterísticas é fundamental: ninguém quer apostar numa pessoa exibicionista, mas se estiver inseguro também não inspirará confiança. É preciso conjugar a determinação e a simplicidade e criar uma imagem que seja em simultâneo natural, autêntica e única.

De acordo com o Dr. Steven M. Smith, professor no Departamento de Ciências Psicológicas e Neurológicas da Universidade A&M no Texas, “Muitos oradores pensam que o objetivo é provar que são peritos num assunto (…) mas o verdadeiro objetivo é passar uma mensagem acessível. O público apenas se lembra de algumas componentes do discurso, por isso o orador tem de saber exatamente quais são e apresentá-las, com o mínimo de distrações possível”. (artigo completo no site da Forbes)

 

Agora que já explicámos como fazer um pitch perfeito, siga estes passos e tente a sua sorte. Podemos garantir que qualquer orador ficará a SALVO antes que as portas do elevador se fechem!

 

Para saber mais sobre outras técnicas de comunicação, consulte o nosso artigo sobre 11 Técnicas de Comunicação para Relações Públicas.

Contacte-nos