Skip to main content
LEWIS

Por

LEWIS

Publicado em

February 13, 2019

Tags

Content Marketing, Imprensa, Relações Públicas

Bem-vindo ao Cantinho de Conteúdo LEWIS, a nossa nova série de posts dedicados a analisar, dissecar e a falar com entusiasmo sobre o mundo selvagem do marketing de conteúdo. Nos próximos artigos, veremos como o conteúdo desempenha uma função crucial e intersetorial com outros serviços da agência. O primeiro tema é: relações públicas.


A cerimónia dos Óscares está apenas a algumas semanas de distância e um dos principais candidatos deste ano é “A Star Is Born”. Desde cedo, o filme dirigido por Bradley Cooper criou uma grande agitação na imprensa e foi um exemplo perfeito de como a relação entre as relações públicas e o conteúdo pode deixar uma impressão memorável e duradoura.

Há vários meses que Lady Gaga tem promovido o filme, e se esta divulgação na imprensa provou alguma coisa, é que o seu mau romance com os meios terminou. Se tiver prestado atenção a todo o burburinho em torno deste filme, provavelmente já ouviu Gaga dizer esta frase – ou uma variação semelhante – cerca de três a 142 vezes:

“Podem estar 100 pessoas numa sala, e 99 delas não acreditam em ti, mas uma acredita e ela é Bradley Cooper.”

lady gaga bradley cooper people room

Existe uma razão para isto se ter tornado viral e ter originado inúmeros memes e paródias – é brilhante a muitos níveis, tanto do ponto de vista de conteúdo como de relações públicas. Para começar, parabéns à Lady Gaga por manter sempre os mesmos pontos de conversação. Sempre. Sempre. Sempre.

A maioria dos profissionais de RP não consegue manter esse nível de comprometimento e dedicação às pessoas que estão a aconselhar. De um ponto de vista de relações públicas, foi sem dúvida uma frase certeira e que conseguiu atrair o público. As pessoas conseguem facilmente memorizá-la e de alguma forma relacionarem-se com ela. A razão disto acontecer é que, do ponto de vista do conteúdo, a frase conta uma história inteira de uma forma envolvente e pitoresca numa questão de segundos.

É o verdadeiro poder do conteúdo ressonante e criativo, além da aplicação direcionada e disciplinada da máquina de RP.

Então, que lição podemos aprender da Mother Monster?

O conteúdo que conta uma história com que o público se consiga relacionar, é a base de todos e quaisquer impulsos de relações públicas bem-sucedidos. Esteja simplesmente a fazer um pitch ou a promover um filme de grande sucesso. O conteúdo desempenha um papel fundamental na “máquina de RP”: comentário; relações com os meios / entrevistas; press releases; artigos de opinião; palestras; prémios e tudo o mais que possa estar envolvido.

Não acredita? Vamos desconstruir cada um deles, peça por peça.

  • Comentário: Ao abordar um tema, um jornal de notícias apenas publicará os comentários mais esclarecedores e profundos. Tipicamente, esses são pontos de conversa como os feitos por Lady Gaga, que são imediatamente chamativos, contam uma história inteira em muito pouco tempo ou provocam algum tipo de reação emocional quando são vistos. Se tiver sorte, talvez consiga acertar no trio como a Gaga fez.
  • Relações com os meios / Entrevistas: Para relações bem sucedidas e entrevistas com os meios, precisa de um plano de ação totalmente planeado. Isto significa que cada palavra, sílaba e pausa é criada com um propósito e intenção específicos. Antes que o cliente possa falar e parecer um especialista em qualquer entrevista, ele precisam do conteúdo e da mensagem criados para isso.
  • Comunicados de imprensa: O comunicado de imprensa é a primeira grande chance de causar uma boa impressão e transmitir a mensagem mais recente. Pode ser uma das ferramentas de relações públicas mais antiquadas, mas continua a ser utilizada por uma razão. Esse primeiro “anúncio” é fundamental para moldar e conduzir o resto da sua história e da narrativa adiante. Isso significa que cada centímetro de espaço num comunicado de imprensa deve ser maximizado com conteúdo claro e conciso, que informe, e que deixe as pessoas a querer mais.
  • Artigo de opinião / Thought Leadership: As publicações estão inundadas de conteúdo feito por aqueles que esperam vir um dia a colocar o seu nome nas luzes da ribalta. Conseguir um artigo de opinião ou reforçar o conhecimento de um determinado tema com um thought leadership, significa contar uma história de uma forma única e que nunca ninguém contou antes. Significa ter um ponto de vista único e uma postura que inspira e se destaca. Criar esse tipo de conteúdo é – como se diz na gíria – mais fácil dizer do que fazer, mas quanto mais ousado e mais controverso puder ser, maiores serão as chances. Ter as pesquisas e os dados que fundamentem a opinião, irá solidificar a credibilidade e comprovará a experiência num determinado assunto.
  • Palestras e Prémios: Quer a oportunidade de falar diante de centenas ou milhares de pessoas influentes? Há uma coisa essencial que precisa de ser feita: resumir tudo o que irá ser dito num texto único, inspirador e que aborde todos os seus pontos principais. Este primeiro pedaço de conteúdo pode começar ou acabar com as suas chances. A mesma coisa vale para as nomeações de prémios. Ao ter apenas uma chance para convencer um grupo de jurados de que é digno de reconhecimento, terá de elevar o seu conteúdo a um nível de excelência se quiser ir para casa com alguma peça digna de ser exposta.

Resumindo: se sair deste post com apenas uma coisa, que saia com a perceção que um mecanismo de relações públicas “bem lubrificado e de alto desempenho” precisa de conteúdo que esteja far from the shallow now.

Boa escrita!

shallow lady gaga

Contacte-nos